Terça-feira, 29 de Setembro de 2009

Parte III

A nossa cama,

será, para sempre,
a última morada
do amor.
 
A memória
dos dias em que adormecias leve,
e guardavas,
entre as pálpebras,
o brilho dos nossos
sonhos.

Sentido c-de-catia às 19:43
frequência | adicionar letrinhas | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Setembro de 2009

ano lectivo de 2009/10

ser estrangeira no teu coração é como andar descalça nas ruas de verão e comer gelados de inverno.

por isso, fui inscrever-me num curso de línguas.


Sentido c-de-catia às 23:30
frequência | adicionar letrinhas | favorito
|
Terça-feira, 22 de Setembro de 2009

Parte II

De quando as janelas do nosso quarto choravam, de manhã. De quando o calor amanhecia lentamente, no inverno, na nossa cama. De quando as flores eram mais flores. E o céu mais azul. De quando havia viagens, entre nós. De quando os caminhos eram cor-de-amor. Dos laços de mel. De quando era poesia, o teu sorriso. De quando era música, a tua voz. De quando os teus defeitos eram só meus. De quando o meu corpo era a tua única morada. Da virgindade do nosso amor.

Saudades.

 


Sentido c-de-catia às 00:41
frequência | adicionar letrinhas | favorito
|
Domingo, 20 de Setembro de 2009

últimos remorsos antes do esquecimento

A mulher, o resto da vida, há-de ser a mulher, o resto da vida. Entretanto amar-me-ás, amar-te-ei, seja qual for o verbo ou a pessoa. Confusão mental. A poesia é uma miragem, o amor é um suicídio. A paixão são os fins-de-tarde, as noites. Veres-me como sou. Veres-me como só eu me vejo. Pura, inteira, nua. Tua.

fins (diz, entre um cigarro e outro)

ver as certezas nos teus olhos, ouvir as dúvidas nas tuas palavras.

fins (diz, entre um cigarro e outro)

 

um filme depressivo.

 

 

 

compassos. respirações. 3, 4. da manhã. nós. nono. Nonô. Leonor, talvez. o de rapaz. não, não. perceberás talvez um dia que cheguei a escrever letras de desamor, por ti. quinto? não, o segundo. "a nossa noite. Perfeita". leva pê grande mesmo?

 

 

Ele: Sentes-te bem assim comigo?

Ela: Pertenço-te. E à Terra.

 

Um tempo.

 

Ela: Nunca te chamarei meu amor.

Ele: Porquê?

Ela: Gosto do teu nome.

 

Um tempo.

 

Ele e Ela: Gosto de ti.

 

eu gostava de levar comigo esse amor que escondes entre a carne e os ossos. esquecer a poesia, esquecer. esquecer a ética. amar-te na cozinha, à luz do dia. com toda a falta de romantismo que a sinceridade tem.


Sentido c-de-catia às 17:50
frequência | adicionar letrinhas | favorito
|

.um E e um U.

.Abrir caixotinhos

 

.Outubro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.Letras fresquinhas

. Ou então,

. ...

. Parte III

. ano lectivo de 2009/10

. Parte II

. últimos remorsos antes do...

. I

. Previsão Meteorológica

. (abraçar)

. Viagens

.Pó das letras

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

blogs SAPO

.subscrever feeds